Arquivo de etiquetas: Gravidade

HIDRELÉTRICAS

É a principal forma de produção renovável de energia hoje em dia. A primeira usina hidrelétrica comercial foi construída em Niagara Falls, EUA, em 1879. Em 1881, as lâmpadas de rua na cidade de Niagara Falls foram alimentadas por energia hidrelétrica.

Desde então, as usinas hidrelétricas fornecem um quinto da eletricidade mundial, e há países como a Noruega e a Nova Zelândia que produzem mais de 75% de sua eletricidade usando energia hidrelétrica, no Brasil este número fica em torno de 15%.

AS 10 MAIORES HIDRELÉTRICAS DO MUNDO
(Em produção
Maior Hidrelétrica do Mundo – Usina Três Gargantas, China
  1. Usina de Três Gargantas – China (18.200 MW)
  2. Usina de Itaipu – Brasil (14.000 MW)
  3. Belo Monte – Brasil (11.233 MW)
  4. Guri – Venezuela (10.200 MW)
  5. Tucuruí I e II – Brasil (8.370 MW)
  6. Grand Coulee – Estados Unidos (6.494 MW)
  7. Sayano-Shushenskaya – Rússia (6.400 MW)
  8. Krasnoyarsk – Rússia (6.000MW)
  9. Churchill Falls – Canadá (5.428 MW)
  10. Usina La Grande 2 – Canadá (5.328 MW)

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Mas quanto você sabe sobre energia hidrelétrica? Quão eficiente é e como é produzido? Neste artigo, vamos tratar sobre alguns fatos interessantes sobre energia hidrelétrica que você provavelmente nunca pensou.

  • A energia hidrelétrica é o único recurso renovável competitivo com combustíveis fósseis

Em primeiro lugar, a energia hidrelétrica tem uma eficiência de 90%, o que é muito comparado aos combustíveis fósseis que têm apenas 50% de eficiência e são baratos e acessíveis. Hoje, fornece cerca de 20% da eletricidade em todo o mundo e mais de 30 países usam a força da água como sua única fonte de energia.

  • A energia hidrelétrica não afeta de modo algum a atmosfera

Como o seu “combustível” é a força da queda da água, a energia hidrelétrica não possui emissões de gases (assim, pode substituir os combustíveis convencionais com segurança ) para que possamos considerá-lo um recurso de energia verde sem contaminação. Combinado com a energia solar e com energia eólica, o recurso hidrelétrico pode revelar projetos verdes e ecológicos interessantes e inovadores .

  • Qual o impacto Ambiental das hidrelétricas?

A construção das usinas elétricas de larga escala ao criar um grande lago represado. Isto pode resultar em danos aos ecossistemas como matar populações de peixes, mudanças climáticas, fuga de animais para lugares secos e apodrecimento de vegetações submersas.

  • Qual o impacto Social das hidrelétricas?

Há também o impacto social quando milhares de pessoas tem que deixar seus lares para recomeçarem em outros lugares. No Brasil, país que mais utiliza este tipo de recurso energético, há cerca de 33 mil desabrigados devido a estas situações de acordo com a ONG MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens).

  • Análise dos impactos Social/Ambiental?

Pode parecer uma catástrofe, mas, comparando com outros tipos de geração de energia, a hidrelétrica não é de todo ruim. Outra solução encontrada para reduzir os impactos, são as pequenas usinas hidrelétricas.

  • Três tipos de usinas que utilizam energia hidrelétrica

Dependendo do seu tamanho, existem grandes usinas hidrelétricas , com uma capacidade de 30 MW ou mais, pequenas usinas hidrelétricas , com uma capacidade de 100 kW a 30 MW e usinas Micro Hidrelétricas com capacidade de até 100 kW.

Pequenas usinas podem abastecer com eletricidade uma casa, uma fazenda ou mesmo uma pequena aldeia, o que seria uma ótima solução para novas cidades ecológicas.

  • A energia hidrelétrica é o principal recurso renovável

Porque não depende tanto das condições climáticas (como a energia solar ) e os recursos hídricos são de alguma forma estáveis ​​durante todo o ano, a energia hidrelétrica tornou-se o recurso renovável mais utilizado de todos – fornece aproximadamente 97% da eletricidade produzida por Recursos energéticos verdes. Os outros recursos renováveis (solar, do vento , biomassa, geotérmica) fornecer em conjunto os restantes 3%!

  • Os reservatórios hidrelétricos fornecem instalações recreativas

Na terra (e água) em torno de uma usina hidrelétrica, pode ser explorado para fins de entretenimento como: atividades aquáticas, pesca, passeio de barcos, canoagem, trilhas ecológicas entre outras.

Parque às margens da represa Mansfield – Texas,EUA

 

  • O Futuro das Hidrelétricas

Dada a realidade de que os recursos de nosso planta são limitados, principalmente as fontes de energias fosseis, qual seria o papel das hidrelétricas no futuro?

Apesar da crescente necessidade de um aumento da energia sustentável, o cenário energético continua a ser dominado por combustíveis fósseis baratos, que representaram 86% do consumo mundial de energia (em 2015).

A energia hidrelétrica responde por 71% da geração total de eletricidade renovável. A Agência Internacional de Energia (AIE), uma organização intergovernamental de assessoria de energia, acredita que com ações coordenadas, podemos aumentar em até 36% as fontes de energias renováveis até 2030 e também dobrar a produção de hidroeletricidade até 2050.

Como mencionado, 20% da eletricidade mundial é gerada pela energia hidrelétrica, mas a capacidade atual pode ser triplicada se todos os recursos disponíveis foram aproveitados para gerar aproximadamente 15,000 TWh/ano.

Hidrelétricas no mundo

Fontes:

Energia Agora

UM NOVO CONCEITO SOBRE A GRAVIDADE!

O QUE É GRAVIDADE?

É a força que te prende ao chão! Mas seria só isso? Qual é a sua causa ou origem? Muitas mentes tentaram resolver este antigo quebra-cabeça, mas ninguém ainda foi totalmente bem sucedido. Para Newton, a força da gravidade era meramente uma função de massas e a distância entre elas. Para Einstein, a gravidade causou uma deformação do espaço-tempo contínuo. Nesta base, ele desenvolveu uma álgebra altamente complexa que simplesmente a descreve geometricamente. A maioria dos estudos até agora explicam apenas os efeitos da gravidade e não a sua natureza.

A mecânica quântica (o conjunto de teorias da física moderna que estuda os componentes fundamentais da matéria) já mostrou que diversas forças que pareciam se comportar de modo semelhante à gravidade eram, na verdade, geradas pela interação de partículas, como os elétrons (no caso da eletricidade) e os fótons (no caso do electromagnetismo, no qual a luz visível é um dos fenômenos mais conhecidos). Por isso, qualquer teoria que queira abranger de forma coerente todos os fenômenos da natureza precisaria achar as partículas gravitacionais – os hipotéticos grávitons, ou as ondas gravitacionais (na mecânica quântica, algo pode se manifestar tanto como onda quanto como partícula).

Na teoria é fácil! Desde então, ninguém foi capaz de detectar uma onda gravitacional ou um gráviton diretamente. “Os grávitons têm pouca energia e interagem muito pouco com a matéria”, afirma George Matsas, do Instituto de Física Teórica (IFT) da Universidade Estadual Paulista.

A unificação da gravidade com a energia elétrica foi um desafio para muitos grandes físicos do século passado. Einstein dedicou quase 35 anos para o problema, sem sucesso, enquanto, em 1968, Dirac sugeriu que não seria possível unificar as forças fundamentais.

Existe agora um grande corpo de evidências que sugerem uma forte ligação entre electromagnetismo e gravidade, como exemplificado por uma experiência inovadora apresentada na recente reunião da Sociedade Astronômica Americana (ASS¹), realizada pela Universidade de Missouri e o Observatório Nacional de Rádio Astronomia Americana (NRAO²), usou medidas precisas para mostrar que a gravidade é propagada na mesma velocidade que a luz.

4forcesnatureOutra evidência que conecta electromagnetismo e gravidade deriva da Teoria da Relatividade de Einstein, e baseia-se no princípio da equivalência entre massa inercial e gravitacional, em que ambos experimentam a mesma aceleração num campo gravitacional, com imensa precisão. Esta teoria mostra que a gravidade e inércia, é a mesma coisa, porque ambos agem em um corpo do mesmo modo, com as suas forças proporcionais à massa do corpo. Assim, pode-se reconhecer que a gravidade e a inércia têm uma origem semelhante. É importante lembrar que o último resulta de um fenômeno muito comum: a aplicação de uma força a um corpo maciço.

A questão da gravidade pode, assim, ser respondidas através dos dois fatos:

  1. A gravidade é uma inércia e é causada por uma força eletromagnética de origem nuclear;
  2. A fonte ou a causa da gravidade é a diferença relativa entre as forças eletrostáticas e centrípetas dentro dos átomos. A origem dessas diferenças reside no movimento relativístico dos elétrons e a referência de tempo que eles adotam.
Fonte: Texto extraído e adaptado dos sites www.quantumgravity.us por Rolf Guthmann e super.abril.com.br…. por Reinaldo José Lopes.
1- ASS – A American Astronomical Society é uma sociedade norte-americana de astrônomos profissionais e outras pessoas interessadas, com sede em Washington, D.C. (aas.org)
2- NRAO – O National Radio Astronomy Observatory é um Centro de Pesquisas e Desenvolvimento financiado pela Fundação Nacional de Ciências dos Estados Unidos. (www.nrao.edu )

Fonte: energiaagora.com.br

MOTOR GRAVITACIONAL

Rolf Guthmann, um engenheiro e físico teórico vem trabalhando a mais de três décadas em sistemas de energias alternativas, ele vem afirmando:

“O modelo padrão da física está errado, isto é sabido há muito tempo. Os físicos, após décadas de tentativas, não conseguiram ajustar as suas leis de forma a tornar a relatividade geral compatível com a mecânica quântica. O erro foi cometido na largada, há séculos atrás (Newton), quando se partiu de um pressuposto falho, delegando a origem da gravidade a tal “massa”. Desde então só se viu o desespero dos físicos. Os teóricos com seus delírios matemáticos em torno das cordas e múltiplos Universos e os experimentais em busca da tal partícula mediadora ou a “partícula de Deus”, que daria total respaldo ao “Modelo Padrão” da física. A verdade é que não existe massa e menos ainda ‘o bóson de Higgs’, a gravidade é gerada pelos átomos é uma inércia natural dos mesmos de origem relativística.”

Este novo conceito sobre a gravidade tem sido divulgada como “Gravidade Atômica” (Leia o artigo UM NOVO CONCEITO SOBRE A GRAVIDADE)

Rolf Guthmann, brasileiro de Porto Alegre, vem afirmando em seu website¹ estar desenvolvendo um motor anti-gravitacional, confira o vídeo abaixo postado em seu canal.

Este vídeo mostra uma pequena coleção de testes com motores gravitacionais. O principio simples que se mostra é que, conforme o rotor começa a girar, o mesmo parece causar um leve impulso para cima. Os detalhes de como funciona o MG (Motor Gravitacional), o conceito de quebra de simetria do campo, bem como os princípios gravitacionais estão disponíveis em seu website¹:

Energia Agora continuará acompanhando o trabalho do Sr. Rolf Guthmann e sua equipe.

1 – Site oficial: quantumgravity.usCanal do Youtube

Veja mais fotos do projeto:

mg-rolfguthmann